A volta ao parque em 80 mundos

 

 Fortaleza_pg suecia_il peru_pg

 

A volta ao parque em 80 mundos | Around the park in 80 worlds
Série fotográfica
Photographic series
2011-2014

Entre 2011 e 2014, fotografamos centenas de bancos de praça dos mais diversos tipos em diversas situações e lugares do mundo. Todos os bancos são diferentes, no entanto, são enquadrados da mesma maneira, à luz do dia, com o banco ao centro e o mundo ao redor.

Bancos para namorar, para dormir, para sentar, pensar, ler, conversar, descansar. Bancos para apoiar a bicicleta, para escrever uma recado a ponta de chave, para fazer campanha política.  Bancos de madeira, aço escovado, palha, ferro, pedra, tijolo, bambu, cimento, concreto. Bancos com encosto, sem encosto. Bancos para uma pessoa, duas, três ou dez, para uma festa inteira. Bancos para mensagens ideológicas, recados de amor, confissões, pichações, arte. Bancos no meio da rua, amarrados a postes, na frente do prédio para as visitas.

Bancos secretos, escondidos entre arbustos de um jardim de topiarias. Bancos cobertos de neve, bancos à sombra de uma palmeira em uma praia muito longe de casa, em Fortaleza. Bancos na areia, na floresta, nos Alpes, em Machu Picchu. Bancos de onde se contempla um vale sagrado, Bancos finlandeses para turistas chineses, bancos franceses para estudantes de pintura, bancos sicilianos para uma família de imigrantes tomar um sorvete num fim de tarde, olhando o horizonte. Bancos que são casas para moradores de rua, que servem de retaguarda para vendedores ambulantes e de apoio para as compras da dona de casa cansada. Bancos americanos onde um espião da CIA se sentou para encontrar um contato, como nos filmes de Hollywood.

Bancos para ler jornal em Berlim, na Suíça, na Suécia e também em Florianópolis. Bancos que foram quebrados e pichados pelos bêbados que os ocupam tarde da noite em Amsterdã. Bancos arranhados, pintados, repintados, bancos para colar propaganda. Bancos de Nova Délhi, onde casos de amor proibido encontram legitimidade. Bancos de Estocolmo que seguem a norma da cidade. Bancos vietnamitas ao redor de um lago com teens postando selfies no Instagram. Bancos para amigos, bancos para a solidão, bancos para turistas e mendigos. Bancos para chorar, rir e até brigar.

Bancos onde alguém deixou uma luva até hoje esperando seu par na Estônia. Bancos patrocinados pela prefeitura, bancos improvisados com tábuas ao lado de uma oficina de carros. Bancos verde-escuros como em Paris, bancos vermelhos, amarelos, brancos, azuis, pretos, dourados, com a tinta descascando sob o sol de uma ilha asiática. Bancos para apreciar a vista.  Bancos para bronzear o corpo na hora do almoço. Bancos em forma de crocodilo, para amarrar o cachorro (ou a lhama), interrompendo o percurso de uma galinha mineira, ou onde descansam os gatos de qualquer cidade. Os cães geralmente preferem dormir embaixo do assento, não sabemos por quê.

Bancos modernistas muito longos e baixos ao longo de canteiros de jardim. Bancos clássicos, rococó, Belle époque, Art déco ou vitorianos na frente de quadras de tênis na Irlanda, fifteen-love. Bancos na frente de museus, hospitais, cemitérios, em todos os pontos de ônibus, ou quase. Bancos para ver os navios passarem, ou, quem sabe, a vida. Bancos para admirar a beleza do outro ou para fazer fofoca. Bancos de saudade ou esquecimento. Bancos para ler uma carta. Bancos pequenos para seres pequenos. Bancos confortáveis ou duros, bancos onde cabem três sentados, mas só um deitado. Às vezes, nem deitado. Bancos pensados para afastar os mendigos. Bancos para admirar as flores da praça, bancos para esperar um amante que se esqueceu do dia e da hora. Bancos que povoam os parques do Rio, da Bahia, de Hong Kong, Cingapura, Istambul. Bancos onde não é preciso e, onde é preciso, fazem falta.

Between 2011 and 2014, we photographed hundreds of benches around the world.  All benches are different, yet they are shot in the same way, in daylight, with the bench in the center and the world around it. 

Benches to sleep in, to sit on, to think, to read, to chat, to rest.  Benches where bikes lean against or where people write quick notes or benches for political campaigns. Wooden, stainless steel, straw, iron, stone, brick, bamboo, cement, concrete benches.  Benches with or without backrests.   Benches that sit one, two, three or ten people; benches to sit a crowd. Benches for ideological messages, love messages, confessions, graffiti, art. Benches in the middle of the street, tied to lampposts, placed at the entrance of buildings, meant for visitors.

Secret benches, hidden in the bushes in a topiary garden. Benches covered in snow, benches shaded by a palm tree on a beach very far from home, in Fortaleza.  Benches on the sand, in the forest, in the Alps, in Machu Picchu.  Benches from where one can contemplate a sacred valley. Finnish benches for Chinese tourists, French benches for painting students, Sicilian benches for a family of immigrants to have an ice cream in a late afternoon, while gazing at the horizon. Benches that are homes for the homeless, and which serve as a back office for street vendors, and as support for tired housewives’ shopping baskets.  American benches where a CIA spy sat to meet with his contact, just like in a Hollywood movie.

Benches where one can read the newspapers in Berlin, in Switzerland, in Sweden and also in Florianópolis. Benches broken and graffitied by drunkards who use them late at night in Amsterdam. Benches scratched, painted, repainted, benches to stick advertisements on. Benches in New Delhi, where forbidden love affairs find their legitimacy. Benches in Stockholm which abide by city rules. Vietnamese benches around a lake with teen posting selfies on Instagram. Benches for friends, benches for loneliness, benches for tourists and beggars. Benches to cry on, laugh and even to fight about.

Benches where someone left a glove until today waiting for its pair in Estonia. Benches sponsored by the mayor of a small town in Brazil, makeshift benches made with planks next to a car workshop. Dark green benches like those in Paris, red, yellow, white, blue, black, golden benches, with their paint peeling off under the sun of an Asian island. Benches to enjoy the scenery. Benches to tan the skin at lunchtime. Benches shaped as a crocodile to tie up a dog (or a llama), interrupting the path of a wild chicken, or where cats rest in any city.  Dogs usually prefer to sleep underneath the seat, we wonder why.

Modernist, very long and low benches along park flowerbeds. Classic, rococo, Belle Époque, Art Déco or Victorian benches in front of tennis courts in Ireland, fifteen-love. Benches in front of museums, hospitals, cemeteries, at nearly every bus stop. Benches to watch ships, or life, go by. Benches to admire the beauty of a loved one, or to gossip. Benches of nostalgia or forgetfulness. Benches to read a letter. Small benches for small creatures. Comfortable or hard benches, benches that sit three but only sleep one. Sometimes, not even lying down. Benches designed to keep beggars away. Benches to admire flowers, benches to wait for a lover who forgot the day or the time of their meeting. Benches that abound in the parks in Rio, Bahia, Hong Kong, Singapore, Istanbul. Benches to rest a tired leg. Benches where they serve no purpose, and none where they are most needed.