desejo_de_horas_12 desejo_de_horas_13 desejo_de_horas_15 desejo_de_horas_14 desejo_de_horas_18 desejo_de_horas_17 desejo_de_horas_16 desejo_de_horas_11 desejo_de_horas_10 desejo_de_horas_9 paraolharapaisagem

 

 

 

Banco de Tempo I: Desejo de Horas

Intervenção em 100 bancos do Jardim da República

Uma centena de bancos ladeiam as aleias secundárias de todo o Jardim da República, formando pontos de repouso para os visitantes. Nesta obra, os bancos deixam de lado sua função de mobiliário urbano e se tornam o suporte principal para uma intervenção de textos no espaço público do jardim.

O texto foi elaborado a partir de frases retiradas de respostas às entrevistas que fizemos, durante duas semanas, com cerca de 60 frequentadores do parque. Perguntamos aos entrevistados: “Se você tivesse mais horas em um dia, o que faria com elas? Você desejaria mais horas para quê?”

Leia a obra-poema

Aplicamos as frases nos bancos do parque que puderam ser lidas ao longo de todo o jardim, estimulando uma caminhada poética por toda a área do parque. Desta forma, as palavras recolhidas no parque foram a ele devolvidas, revelando, assim, o desejo latente dos que ocupam aquele espaço.

Leia o texto sobre as entrevistas

 

Benches of Time I: Desire for Hours

Text intervention in 100 benches in a park

About one hundred benches exist in the side alleys of the Republic Gardens in Rio de Janeiro, and provide rest and shade or its hundreds of daily visitors. In this piece, the benches become surfaces for a text intervention that spans the entire are of the park.

The text was created from citations extracted from dozens of interviews with park visitors for two weeks .We asked them: “If you had more hours in a day, what would you do with them?”

Read the text here

We applied each of these sententces onto the park benches so that they could be read in a “poetic walk” across the entire park. In this way, the words collected in the park by verbal means were given back to the park in writing, making available the latent desires for time of those people who use the park everyday.

Read about the interviews

 

®2011-2017
Isabel Löfgren & Patricia Gouvêa